Resolver as coisas pelo terminal ou não precisar muito do mouse sempre foi uma coisa que me chamou a atenção. Depois de passar alguns dias estudando (e colocando em prática) um pouco de shell script, consegui experimentar um pouco mais disso. Pude experimentar recursos e aprender mais como as coisas funcionam. Tem sido um ótimo período!

Pretendo escrever uma série de artigos sobre shell script, já que é uma coisa que se tornou parte do meu dia-a-dia, e assim compartilhar dessa experiência. Esse talvez será o mais conceitual, já que devemos nos acostumar com uma série de conceitos e termos.

Primeiros passos

Antes de prosseguirmos, precisamos responder algumas questões, e a primeira delas é:

O que é shell???

Podemos definir shell como uma interface de usuário, seja ela uma Command-Line Interface (CLI), ou uma Graphical User Interface (GUI). Shells são interativos, ou seja, aceitam comandos, sejam eles via mouse ou teclado. Alguma dúvida aqui?

Segunda pergunta:

Se shell é uma interface de usuário, o que é Shell Script?

Ok. Interfaces de usuário aceitam comandos, certo? Sejam GUIs ou CLIs (onde é mais explícito), elas aceitam comandos. Falando em CLIs, escrevemos os comandos. Esse conjunto de comandos que escrevemos para interagir com o shell em questão, quando escritos em blocos, podem ser considerados shell script.

O que é POSIX?

POSIX (Portable Operating System Interface) é uma família de padrões de sistemas abertos baseados em Unix, definidos pela IEEE, também conhecido como IEEE 1003. Ah, o X de POSIX, vem do Unix e esse termo foi proposto por Richard Stallman.

, mas qual é a relação de shell script e POSIX?

Scripts shell são construídos de palavras-chave, comandos padrão, comandos do SO, funções e estruturas de controle. Parece uma linguagem de programação qualquer, certo? Esse é o padrão, é o conjunto de normas propostos pelo POSIX.

Existem várias implementações de interpretadores baseados no POSIX: Bash, CSH, KSH, TCSH, ZSH e outros. O Bash é o mais comum deles, muito usado nos descendentes da família Unix (aqui estou contando com o GNU/Linux e os sistemas MacOS). Por ser mais comum, e o que eu uso, vou adotar Bash para os exemplos desses artigos.

Filosofia Unix

Já ouviu falar sobre a Filosofia Unix? Ela propõe algumas ideias interessantes para o desenvolvimento de software, como por exemplo:

  • Programas devem fazer uma coisa, e fazer aquilo bem feito.

  • Programas devem trabalhar juntos para atingir objetivos.

  • Keep it Simple, Stupid (Mantenha isso simples, estúpido).

Esses pontos foram disseminados em praticamente todas as comunidades de desenvolvimento de software, porque realmente são boas práticas. Em Shell Script não é diferente, talvez é até mais perceptível. Futuramente vamos falar de redirecionamento de entradas e saídas, e algumas outras coisas que deixarão isso mais claro.

Nosso “Hello World”!

Vamos escrever um pequeno programinha em Bash, para eu poder explicar algumas coisas durante o caminho.

Tipos de Comandos

Vamos lá. Podemos dizer que temos alguns tipos de comandos, são eles:

  • Alias: São atalhos definidos para algum outro programa. Ex.: ll é um alias para ls -lh;

  • Palavras-chave: if, then, for, etc.;

  • Funções: Funções definidas pelo usuários;

  • Built in (Embutidos): Funções que fazem parte do próprio shell;

  • Programas.

O último item, os Programas são localizados pelo sistema através da variável $PATH. Se você mexe com NPM, provavelmente já se deparou com essa variável de ambiente. Vamos dar uma olhada nela, abra seu terminal (ou seu Prompt Shell, para falar bonito), digite echo $PATH e observe o retorno. No meu caso:

$ echo $PATH
/usr/local/bin:/usr/local/sbin:/usr/bin:/home/gabriel/.npm-global/bin

Separados por : (dois pontos), esses são os caminhos que contém os programas rastreados pelo sistema, aqueles que você começa digitar e aperta TAB para autocompletar. Então, esses são os comandos que estão disponibilizados para trabalharmos.

Ah, você pode usar o type para saber informações sobre o tipo do comando. Ex.: type echo.

Vamos usar alguns desses comandos para exibir todos os programas rastreados pelo sistema. Crie o arquivo listar-programas.sh e dê permissão para que seu usuário execute esse programa com o comando chmod u+x listar-programas.sh, vamos trabalhar nele.

Por enquanto, salve o arquivo com o comando que executamos antes, mas assim:

#!/bin/bash
echo $PATH

A primeira linha desse código é o nosso Shebang (#!). Em sistemas Unix-like, ele é usado para indicar um executor para o determinado script. Talvez você já tenha visto algo parecido em algum projeto em Node.js (#!/usr/bin/node), ou Python (#!/usr/bin/python).

Ok, você deu a permissão de execução que falei? Então vá no seu prompt shell e execute esse arquivo. Teve o mesmo retorno de quando executamos o código direto na linha de comando? Sim? Ótimo, vamos continuar.

read & $IFS

$IFS é uma variável especial em Bash. Internal Field Separator (IFS) é usada para separar expressões, ou linhas, dentro do comando read. Seu valor padrão é composto pelos caracteres de espaço, tabulação, e nova linha, mas pode ser alterado quando necessário.

Como vimos, a saída do comando echo $PATH mostra os caminhos separados por dois pontos (:), portanto, vamos usar o $IFS para mostrar que setar nosso caractere de separação:

#!/bin/bash

# A atribuição de valores não deve conter espaços
# entre o identificador da variável e o valor atribuído.
IFS=':'

Agora vamos usar o comando read para fazer a leitura da variável $PATH, quebrando seu conteúdo em todos os caracteres :. Acrescente o seguinte comando:

# O parâmetro `-a` atribui o conteúdo lido a índices
# sequenciais da variável `caminhos`, iniciando em zero

# `<<<` é uma maneira de direcionar entrada, que falarei em um post posterior

read -a caminhos <<< $PATH

Pronto, temos um array de caminhos dos programas registrados pelo sistema. Como temos que iterar em um loop, já que vamos ler cada um dos valores do array, conheça a estrutura de repetição for, em Bash:

# O índice `@` pega todos os valores de `caminhos`
for caminho in ${caminhos[@]}
do
  echo $caminho
done

Salve o script e teste. O retorno deve ser cada um dos caminhos do $PATH, um em cada linha. Como temos o path de onde estão os programas, vamos trocar o echo por ls, para que sejam exibidos todos os programas que estejam nesses diretórios. O código final (sem os comentários) ficará assim:

#!/bin/bash

IFS=':'
read -a caminhos <<< $PATH

for caminho in ${caminhos[@]}
do
  ls $caminho
done

Conclusão

Este artigo foi para dar uma pequena introdução no assunto. Pretendo escrever mais coisas sobre Shell Script (lembrando que estou escrevendo os exemplos para o interpretador Bash), aí iremos explorar mais recursos e comandos básicos. Espero te ajudar de alguma forma.

Isso é tudo pessoal, até a próxima.

(:


Referências